Linux / PHP / Java / Designer

As melhores dicas estão aqui.

FBI usa spyware para capturar acusado de extorquir operadoras nos EUA

| 0 comentários

Framingham - Chamado de CIPAV, software usado pela agência se infiltra na máquina do suspeito e envia dados, como IP do usuário, para servidor do FBI.

O FBI usou spywares para capturar um norte-americano que extorquir as operadoras Verizon e Comcast cortando 18 cabos de transmissão de dados e voz em 2005, provam documentos obtidos pela Wired.com sob o Freedom of Information Act nesta sexta-feira (17/04).

Ainda que o nome tenha sido editado nos documentos publicados, registros federais dão conta que o acusado se trata de Danny Kelly, desempregado que mora em Massachusetts.

Kelly cortou 18 cabos de comunicação entre 2004 e 2005 e exigia 10 mil dólares mensais de cada uma das operadoras para que mais danos não fossem causados às suas redes.

O acusado conseguiu despistar as operadoras ao acessar páginas privadas criada para que os dois lados trocassem informações sobre os depósito ao utilizar uma ferramentas que camuflava seu IP.

Os documentos obtidos pela Wired.com afirmam que o FBI conseguiu um mandado para usar um programa chamado Computer & Internet Protocol Address Verifier (CIPAV) para identificar o micro usado para a extorsão.

Segundo agentes do FBI ouvidos anteriormente, o CIPAV faria com que "qualquer computador - independente de onde estivesse - enviasse mensagens contendo seu próprio IP ou endereço MAC, outras variáveis do ambiente e determinadas informações para registro de uma máquina do FBI".

O mandado, porém, não revela se o CIPAV captura teclas batidas ou injeta outros códigos no sistema comprometido, como é tradicional de cavalos-de-tróia.

Documentos da corte relacionados ao caso não detalham como o FBI conseguiu integrar o CPIAV ao computador de Kelly, mas pesquisadores de segurança apontam que a agência deve ter usado uma falha de segurança, pública ou ainda sob investigação por desenvolvedores, para plantar o spyware.
Gregg Keizer, editor da ComputerWorld, de Framingham.

Deixe uma resposta

Campos requeridos estão marcados *.