Linux / PHP / Java / Designer

As melhores dicas estão aqui.

Piratas chineses clonam iPad e lançam tablet por US $410

| 0 comentários

Versões do aparelho da Apple são vendidos na China.
'Essa é apenas uma primeira versão', diz agente de vendas.

Pouco mais de três semanas depois do lançamento mundial, versões piratas do tablet iPad, da Apple, começaram a surgir em lojas on-line e físicas na China.

A Apple recentemente adiou o lançamento internacional do iPad, afirmando que a imensa demanda nos Estados Unidos apanhou de surpresa a companhia. Mas os consumidores chineses que estão em busca de versões do mais recente produto da empresa não precisam ir mais longe que um movimentado centro de eletrônicos em Shenzhen, próspera cidade do sul da China, próxima da fronteira com Hong Kong.

Lá, pequenas lojas estão repletas de versões piratas de toda espécie de produtos, do Windows 7 a dois dólares, a uma ampla gama de produtos da Apple, como iPhones, MacBooks e MacBook Air. Depois de extensas consultas a diversos comerciantes, um deles, cujo sobrenome é Lin, ofereceu o item procurado, em uma sala escura do quinto andar do mercado, longe do movimento.

Pesado e espesso, com três portas USB e forma mais retangular que a do original, esse derivado com aspirações a iPad, acionado por um sistema operacional Windows, parece mais com um iPhone gigante. O preço é de 2,8 mil iuans (US$ 410), o que o deixa um pouco mais barato que o iPad, vendido por entre US$ 499 e US$ 699.

"Essa é apenas a primeira versão", diz Lin, um agente de vendas com cabelos cortados à escovinha que fala rapidamente em cantonês, o idioma local.

Versão chinesa de tablet custa US$ 410 no país. (Foto: Bobby Yip/Reuters)

Versão chinesa de tablet custa US$ 410 no país. (Foto: Bobby Yip/Reuters)

"Embora a forma não seja exatamente a mesma, a aparência externa é bastante semelhante à do iPad, de modo que não acreditamos que isso afete demais as nossas vendas", explicou ele, acrescentando que a diferença se deve à dificuldade de encomendar componentes semelhantes, devido ao curto prazo de dois meses para o desenvolvimento da primeira versão do aparelho.

Os ocupados piratas chineses estão correndo para preencher um vazio que não perdurará, criado pela demanda inesperadamente forte que o iPad encontrou nas primeiras semanas do aparelho no mercado.

"A China é basicamente um mercado que tem a capacidade de clonar tudo, então isso não chega a surpreender", afirmou Edward Yu, presidente-executivo da empresa de pesquisa Analysys International. "Eu não creio que a pirataria seja uma coisa ruim para o iPad dado que a China tem uma enorme população. Pode ser que os iPads clonados deem aos potenciais usuários um gostinho do que se trata o aparelho."

De volta a Shenzhen, Lin afirmou que fábricas na região do delta do rio Pérola, maior centro de exportação de manufaturas da China, estão trabalhando duro em uma versão atualizada dos iPads pirateados para satisfazerem a demanda.

"As fábricas poderão produzir uma cópia muito melhor mais para frente", diz Lin.

Fonte: G1

Deixe uma resposta

Campos requeridos estão marcados *.